segunda-feira, 3 de novembro de 2008

Dia do cinema nacional


Hoje foi dia de cinema.
Cinemark Downtown desde cedo.
Onze e pouco da manhã já estava eu assistindo o filme de meu diretor brasileiro preferido, Fernando Meirelles, com seu "Ensaio sobre a cegueira".
Fiz como se fosse o Festival do Rio ou o Anima Mundi, anotei num papelzinho um OK de visto e a nota para cada filme que viria na sequência.
O "Ensaio sobre a cegueira" ganhou um sete e meio.
Fiquei frustrada por não saber por que a personagem vivida pela atriz Julianne Moore foi a única a não se contaminar pela cegueira coletiva. Se uma viva alma estiver lendo, por favor, me explique.
Muito obrigada, desde já, sim?!!!
Parei para o almoço e logo em seguida, por volta das duas e meia, lá fui eu e o meu amo, claro, sempre bem acompanhada, ver o filme do Waltinho Salles e da Daniela Thomas, "Linha de passe". Gostei, pero non mucho. A parte final do: "Anda, anda, anda" foi a mais marcante pra mim. De resto, serviu sem desmerecer o filme, que também é muito bom, mas me serviu mesmo para ficar cada dia mais atenta aos motoboys, que assaltam carros em sinais de trânsito quebrando num piscar de olhos o vidro do carona e rapidamente se apoderando de nossas preciosas bolsinhas, ainda bem que a minha não tem nada de valor, ufa! Bem, às vezes eu carrego a máquina fotográfica; mas deixa pra lá, esquece...
Terminada a sessão, eu e meu amor fizemos uma pausa para um café.
"Linha de passe" levou nota oito.
Em seguida, fomos direto ao "Estômago". E que filme bom! Inteligente, divertido, nojento, delicioso, feio, bonito, perfeito, maravilhoso... Fazia tempo que não via um filme nacional tão bom! Eu dei dez pra ele!
Gostaria que este fosse o eleito para representar o Brasil nos festivais mundo afora, ou que fosse indicado para a categoria do Oscar de melhor filme estrangeiro.
Se bem que ele já ganhou vários e vários prêmios no ano de dois mil e sete. Foi o o grande vencedor do Festival do Rio ano passado, é fato.
E é sério, palmas para este novo diretor brasileiro: Marcos Jorge.
Faça mais filmes, por favor, Marcos.
Mais um marco aí, porque você entende bem desse negócio chamado cinema.
Cinema de verdade.
Que nos move.
Não estou comovida, estou movida!
Movimentada mesmo!
Gostei, gostei, gostei!

Um comentário:

Alexandre Botelho disse...

O melhor do cinema é sua companhia!